agências matrimoniais, traição, sites de encontros, classificados para solteiros - testamos para vocês
Logo: Teste sites de encontros, agências matrimoniais, anúncios para solteiros, anúncio erótico

Teste: Sites de encontros, agência matrimonial, anúncios eróticos, pulada de cerca

Novidades e testes de encontros 2012 - Amor para compensar a ausência

Home   |   Conselhos para solteiros   |   Novidades   |   Imprensa   |   Contato

  Novidades do mundo online dating e sites de encontros no Brasil

05 de Septembro 2012

Amor para compensar a ausência

Trabalhar longe de casa é a decisão que nasce da razão, mas ultrapassa o limite que o sentimento pode sustentar. No Dia dos Pais, O POVO conta histórias de pais que trabalham longe de casa e do cotidiano dos filhos.


“O papai mora no avião?”. A pergunta de Arthur, de apenas três anos, foi um querer desenhar a ausência. O pai, o geólogo Rogério Monnerat, 35, trabalha embarcado nas marés das cidades de Natal e Mossoró, no Rio Grande do Norte, e vem a Fortaleza ficar perto dos trigêmeos – além de Arthur, tem a Lara e a Sofia – a cada 15 dias. É quando a distância ganha um amargo.

 

“A saudade é eterna. Ainda bem que existe a tecnologia de hoje. Como seria se não houvesse a videoconferência, a Internet?”, agradece o pai, falando embarcado em Mossoró. Quando aprendem alguma canção nova na escola, os três pedem para a mãe Andrea ligar o computador. Querem cantar e dançar para o pai. “Procuro participar de tudo, mesmo de longe”, orgulha-se.


A ausência não torna Rogério um pai permissivo. Ao contrário. Quando em casa, não quer bagunça na mesa. Se a mãe diz “não”, é porque realmente não se pode. Também não quer ganhar os filhos com presentes. “Não sinto culpa porque essa é a profissão que escolhi. E eu procuro dar o melhor à minha família.” Muitos choros e risos Rogério perdeu. Conseguiu atender, no entanto, o chamado vindo da primeira palavra que as crianças falaram ao mesmo tempo: papai.

 

Saudade que dói

O pai não se lembra de quando não esteve presente. Mas os filhos, entretanto, não esquecem as distâncias. “Ele não pode ir à minha primeira comunhão”, diz Luciano, 12. “Faltava sempre às apresentações do balé”, aponta Lívia, 13. “Também nunca viu a gente dançar quadrilha”, conta Leonardo, 15. Os três filhos já não dançam no São João nem têm a primeira hóstia para receber. Mas as faltas, nem de longe, deixam sentimento de mágoa. Isso porque, enquanto está com a família, Waldonys José Torres de Menezes, o sanfoneiro e cantor famoso, procura minimizar as ausências. “Posso não ter tempo em quantidade, mas procuro compensar pela qualidade”, orgulha-se.

 

Os filhos ensinam que, quando crianças, as distâncias do pai não eram bem compreendidas. Waldonys, cheio de saudades, telefonava para cada um todos os dias. Mesmo assim, eles sentiam falta do abraço, da cantiga para dormir. Com o tempo, as crianças passaram a crescer na admiração ao trabalho do pai e a compreender. Porque, desde cedo, o cantor precisou aprender a estar afastado da família. Após ter o nome conhecido no País, foi convidado para uma turnê pelos Estados Unidos. Na volta, os shows já preenchiam quase todos os fins de semana. Todo mês de julho, então, a agenda inclui compromissos quase todos os dias. Nem por isso ele se acostumou. “Olhe, é ruim demais. A saudade machuca, dói. De tanto viajar, eu me tornei muito caseiro. Mas também gosto de programas mais leves, como uma praia, um cinema”, compartilha.


As lonjuras fizeram de Waldonys afeito ao sim: (quase) tudo que os filhos pedem, recebem. Quando quer dar o não, o sanfoneiro - que guarda certo espírito de menino - pede à mulher Luciana para assumir a responsabilidade. Juntos, pai e filhos aproveitam o pouco tempo para fazer o que gostam: Lívia adora saltar de paraquedas e os meninos gostam de voar com Waldonys pilotando a aeronave. “Por mais que ele viaje, ele acaba compensando. Eu o amo muito por isso”, derrete-se Luciano.

 

Fonte: opovo.com.br

 

 
Sua avaliação é importante para nós!

Este artigo sobre online dating ajudou você?
Você tem perguntas ou sugestões a fazer? Se sim então escreva-nos:
» critica@central-encontros.com.br
 

» Início     » Home